A espirometria é o teste mais simples e preciso para avaliar a função pulmonar

Em Portugal existem cerca de 800 mil doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), sendo apenas 13% diagnosticados após a realização de uma espirometria. Este teste mede a velocidade e a quantidade de ar que um indivíduo é capaz de inspirar e também expirar. Não é invasivo o que toma a sua realização facilitada e demora cerca de 15 minutos a realizar.

Os médicos devem ter presente a relevância da espirometria e requisitarem este exame, pois muitos doentes não procuram o médico até terem perdido cerca de 50% da capacidade respiratória. Algumas razões para efetuar uma espirometria são: se é ou foi fumador; se sente falta de ar ou necessidade de fazer mais esforço para respirar; se não consegue subir escadas (sem sentir dificuldade em respirar); se sente mais dificuldade ao fazer exercício físico; se deixou de ter capacidade ou se a capacidade diminuiu para praticar desporto; se tem tosse persitente nos últimos anos ou se tem pieira (chiadeira no peito). É essencial difundir o acesso à espirometria através dos cuidados de saúd eprimários (CSP), dado que o número de utentes inscritos com o diagnóstico de DPOC continua com valores muito abaixo dos valores de prevalência conhecidos. Um dos motivos para esta discrepância de números é a difilculdade de acesso à espirometria.

 

É essencial difundir o acesso à espirometria através dos cuidados de saúde primários

 

Neste âmbito, a ARSLVT tem desenvolvido ao longo dos anos a implmentação desta técnica em Unidades de Saúde Familiares e ACES. Desde novembro de 2015 que tem em marcha um projeto para a completa implementação de espirometrias através da constituição de uma rede que pretende colmatar esta falha e alargar o acesso dos exames de função respiratória aos CSP de Lisboa. A importância do diagnóstico precoce está bem patente nos dados recentemente lançados pela DGS, segundo os quais, em Portugal Continental, a DPOC é a segunda causa de mortalidade por patologia respiratória e a terceira principal causa de morte global.

Ana Tavares e Castro, pneumologista CSP Dr. Ribeiro Sanches

Maria Conceição Gomes, Coordenadora do Programa das Doenças Respiratórias ARSLVT