deixe de fumar

O regresso gradual à normalidade: uma oportunidade para deixar de fumar

O tabaco é o principal fator de risco para o cancro do pulmão e para as doenças respiratórias como a DPOC (doença pulmonar obstrutiva crónica) que origina tosse e falta de ar. Estas doenças quando associadas à COVID-19 aumentam drasticamente o número de complicações.  Afinal, os fumadores, segundo a evidência científica, têm sintomas mais graves, maior necessidade de ventilação invasiva e maior mortalidade.

Deixar de fumar pode, desta forma, ser especialmente importante para reduzir a gravidade e a mortalidade por COVID-19, uma vez que a cessação tabágica tem um impacto positivo imediato na função pulmonar e cardiovascular. Um impacto que pode aumentar a capacidade individual para responder à COVID-19 e reduzir o risco de morte.

A pandemia da COVID-19 tem sido um incentivo para algumas pessoas deixarem de fumar. Segundo os dados preliminares de um estudo realizado pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), divulgados no dia 31 de maio, no âmbito do Dia Mundial Sem Tabaco, mais de 30% dos inquiridos reduziu o consumo de tabaco ou deixou de fumar espontaneamente e mais de metade tentou deixar de fumar, mesmo na ausência de qualquer ajuda específica. No entanto, o  stress e a incerteza associados à pandemia poderá ter sido a causa que levou 25% dos inquiridos a aumentar o consumo de tabaco.  O processo de desconfinamento poderá ajudar a atenuar estes números, particularmente numa altura em que cuidar da saúde respiratória nunca foi tão fundamental.

Testemunhos

Sabemos que deixar de fumar não é fácil, é um processo que difere de pessoa para pessoa.  A plataforma Sapo Lifestyle conversou com três mulheres que, com recurso a métodos diferentes, adotaram aquela que consideram ser uma das melhores decisões das suas vidas. Se também está a ponderar deixar de fumar, inspire-se nestes testemunhos! Saiba mais sobre as diferentes histórias aqui e agarre a sua oportunidade para deixar de fumar.