Oxigenoterapia de Deambulação nas férias

A Oxigenoterapia de Deambulação consiste na administração de oxigénio durante as atividades da vida diária de forma a aumentar a concentração de oxigénio no ar que respiramos. É facilitada pelos dispositivos denominados concentradores portáteis de oxigénio e permite  aumentar a autonomia e a qualidade de vida das pessoas com Insuficiência Respiratória Crónica.

Em férias, este tratamento deve ser mantido tal e qual como durante o resto do ano. Mesmo andando de um lado para o outro e independentemente dos locais, deve ser feito o mesmo oxigénio e de acordo com a prescrição médica.

A Insuficiência Respiratória Crónica é caracterizada pela incapacidade de efectuar trocas gasosas a nível pulmonar em parâmetros adequados.  Manifesta-se por hipoxémia , redução da concentração de oxigénio no sangue periférico. Para além de hipoxémia, a Insuficiência Respiratória Crónica também pode provocar a retenção do dióxido de carbono, que se chama hipercápnia, por incapacidade do aparelho respiratório em eliminá-lo eficazmente.

Considera-se que existe uma Insuficiência Respiratória Crónica quando a pressão arterial parcial de oxigénio (PaO2) é inferior a 60 mm Hg (milímetros de mercúrio) com ou sem aumento da pressão arterial parcial de dióxido de carbono (PaCO2) superior a 45 mm Hg.

A Insuficiência Respiratória Crónica pode ser causada por doenças do aparelho respiratório ou por doenças de outros órgãos ou sistemas, que impeçam uma eficaz entrega de oxigénio aos tecidos. O sintoma mais evidente da Insuficiência Respiratória Crónica é a dispneia, ou seja, a sensação de dificuldade respiratória ou a chamada falta de ar, que inicialmente é desencadeada pelo esforço, mas com o passar do tempo pode agravar-se surgindo em repouso.

Os doentes em que há baixa da concentração de oxigénio – o que se traduz  numa saturação do oxigénio periférico abaixo de 88% (SpO2 < 88%) –, nas tarefas da vida diária,  na deambulação, ou nos trabalhos que implicam esforço moderado a alto, têm indicação de utilização de oxigénio suplementar para impedir a degradação dos órgãos, nomeadamente coração, pulmões, cérebro e músculos. A isso chama-se Oxigenoterapia de Deambulação.

A Oxigenoterapia consiste, assim, na administração terapêutica de oxigénio suplementar, de forma a aumentar a concentração de oxigénio no ar que respiramos. A prescrição de Oxigenoterapia de Deambulação é indicada para as pessoas que através de uma prova de marcha de 6 minutos ou de um registo da saturação periférica por oximetria durante 24 horas revelem uma saturação periférica do oxigénio inferior a 88%.

A quantidade de oxigénio suplementar a prescrever está dependente de um exame, que se chama prova de aferição do oxigénio.

A Norma da Direcção Geral de Saúde e a Norma da Prescrição de Oxigenoterapia de Deambulação obriga a que estes doentes estejam integrados em Programa de Reabilitação Respiratória. Um programa de Reabilitação Respiratória tem como objetivos proporcionar a diminuição das incapacidades físicas e psicológicas causadas pela doença respiratória através da melhoria da aptidão física e mental, alteração de comportamentos de agravamento, promoção da reintegração social e capacitação do doente para a gestão integrada da sua doença. Este programa assenta em três pilares: controlo clínico, ensino e treino de exercício. Sendo que deverá ter o suporte técnico de uma equipa interdisciplinar composta por médicos, fisioterapeutas, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e terapeutas ocupacionais.

Os principais benefícios da reabilitação respiratória são a redução dos sintomas respiratórios de fadiga e dispneia, a reversão da ansiedade e depressão associadas à doença respiratória, a melhoria da tolerância ao exercício com aumento da resistência ao esforço, a melhoria na habilidade para a realização das actividades da vida diária, a redução das agudizações, a redução do número de consultas não programadas e recurso ao Serviço de Urgência, a  redução do número de dias de hospitalizações, a  diminuição dos custos directos e indirectos relacionados com a saúde e uma melhor integração familiar e social

Se for de férias e suspender temporariamente a Reabilitação Respiratória, deve manter, para além da rigorosa prescrição de oxigénio, um plano de exercício, pois o exercício faz parte integrante do plano terapêutico do doente sob Oxigenoterapia de Deambulação.

Dr. António Carvalheira Santos, Chefe de Serviço de Pneumologia